Contos doTio-Avô
"Quem escreve um livro cria um castelo, quem o lê mora nele".
Textos
HOUVE UM TEMPO EM QUE NA FAIXA DE TERRA COBERTA DE GRAMA E CERCADA DE ÁRVORES, ONDE OVELHAS E VACAS PASTAVAM TRANQUILAS, VIVIA UM CAMPONÊS CHAMADO GUILHERME TELL. ELE ERA UM EXCELENTE ARQUEIRO, POIS, TINHA MUITA HABILIDADE QUANDO FAZIA USO DE SEU ARCO E FLECHA. COM UMA PONTARIA CERTEIRA.
NA ÉPOCA EM QUE TELL MORAVA NAS MONTANHAS, UM HOMEM MALVADO GOVERNAVA O SEU PAÍS.
TODOS OS MORADORES DO PAÍS DA BANDEIRA VERMELHA COM A CRUZ BRANCA NO MEIO TINHAM MEDO DO ARROGANTE E VAIDOSO GOVERNADOR.
ELE CASTIGAVA TODOS QUE DESOBEDECESSE AS SUAS ORDENS.
O ÚNICO QUE NÃO TEMIA O MALVADO GOVERNADOR ERA O VALENTE CAMPONÊS GUILHERME TELL.
CERTO DIA O GOVERNADOR MANDOU CONSTRUIR UM POSTE NA PRAÇA PARA PENDURAR O SEU CHAPÉU NELE E OBRIGAVA AS PESSOAS A SE CURVAREM DIANTE  DO SEU CHAPÉU.
ASSIM TODO O POVO OBEDECIA E SE CURVAVA DIANTE DAQUELE CHAPÉU PENDURADO NO POSTE DA PRAÇA PARA NÃO SEREM CASTIGADOS, MENOS O ARQUEIRO CAMPONÊS, POIS, ELE DIZIA QUE SÓ SE CURVAVA SOMENTE PARA DEUS.
NUMA TARDE EM QUE O MALVADO GOVERNADOR PASSEAVA PELA PRAÇA, ACABOU ENCONTRANDO GUILHERME QUE PASSAVA COM SEU FILHO.
E VENDO QUE ELE NÃO SE CURVAVA DIANTE DE SEU CHAPÉU, O GOVERNADOR FICOU MUITO BRAVO E ORDENOU QUE OS SEUS SOLDADOS O AGARRASSEM.
E AOS BERROS, ELE DISSE:
- VOCÊ ESTÁ ME DESOBEDECENDO AO NÃO SE CURVAR DIANTE DO MEU CHAPÉU. VOCÊ SABE O QUE ACONTECE COM OS DESOBEDIENTES?
O CASTIGO É A MORTE, MAS, COMO EU ESTOU DE BOM HUMOR HOJE, EU DECIDI LHE DAR UMA CHANCE PARA ESCAPAR DELA. SE VOCÊ SE CURVAR DIANTE DO MEU CHAPÉU EU NÃO TIRAREI A SUA VIDA.
O ARQUEIRO VALENTE NÃO SE ABALOU COM A AMEAÇA DO GOVERNADOR E DISSE MAIS UMA VEZ QUE ELE SÓ SE CURVAVA PARA DEUS.
ENTÃO, O GOVERNADOR COM OS OLHOS FAISCANTES DE RAIVA ORDENOU QUE OS SEUS SOLDADOS ENCOSTASSE O FILHO DO CAMPONÊS NO POSTE COM UMA MAÇÃ SOBRE A CABEÇA.
ENTÃO, ELE DISSE AO GRANDE ARQUEIRO:
- QUERO VER A SUA FAMA DE MELHOR ARQUEIRO DE TODA A EUROPA. VOCÊ TERÁ QUE ACERTAR COM UMA ÚNICA FLECHADA A MAÇÃ QUE ESTÁ SOBRE A CABEÇA DE SEU FILHO. SE ACERTAR, SAIRÁ LIVRE, MAS SE ERRAR PERDERÁ A VIDA.
NESSE MOMENTO, AS MÃOS DE GUILHERME COMEÇARAM A TREMER, POIS, SEU CORAÇÃO ESTAVA DESPEDAÇADO, POIS, UMA MÁ PONTARIA SERIA O FIM DO SEU FILHO.
O CAMPONÊS FOI COLOCADO NO CANTO MAIS DISTANTE DA PRAÇA COM SEU ARCO E FLECHA.
ANTES DE FAZER A FLECHA SAIR DE SEU ARCO, O HUMILDE E VALENTE CAMPONÊS SE AJOELHOU E ERGUEU AS MÃOS AO CÉU.
DEPOIS SE LEVANTOU E SE POSICIONOU MIRANDO FIXAMENTE PARA A MAÇÃ QUE ESTAVA SOBRE A CABEÇA DO SEU FILHO AMADO.
O GOVERNADOR QUE JÁ ESTAVA INQUIETO COM A DEMORA DO ARQUEIRO EM ACERTAR O SEU ALVO, DISSE:
- VAMOS, ACABE LOGO COM ESSA HISTÓRIA, ANTES QUE EU MUDE DE IDEIA!
O FILHO VENDO O PAI AFLITO, DISSE:
PAPAI ATIRE! EU NÃO TENHO MEDO, POIS, SEI QUE É O MESTRE DA PONTARIA E NINGUÉM O SUPERA.
ENTÃO, ELE SE ENCHEU DE CORAGEM, LEVANTOU O ARCO, APONTOU A FLECHA E ESTICOU AS CORDAS E COM O CORAÇÃO ACELERADO E COM A VISÃO CONCENTRADA NA MAÇÃ, LANÇOU A FLECHA NA DIREÇÃO DO ALVO E ELA PARTIU LIVRE PELO AR ZUNINDO RAPIDÍSSIMA COMO UMA ABELHA, RACHANDO A MAÇÃ AO MEIO.
TELL FOI MUITO APLAUDIDO PELA MULTIDÃO QUE ASSISTIA AO DESAGRADÁVEL ESPETÁCULO.
NESSE MOMENTO, O GOVERNADOR NOTOU A PONTA DE OUTRA FLECHA ESCONDIDA NA SUA BOLSA DE COURO QUE O ARQUEIRO CARREGAVA NAS COSTAS. E DISSE:
- VOCÊ CARREGA UMA SEGUNDA FLECHA, MAS, TINHA DIREITO APENAS A UM ARREMESSO, DISSE NOVAMENTE AOS BERROS.
 E O CORAJOSO MESTRE DO ARCO E FLECHA DISSE:
- ESTA SEGUNDA FLECHA É PARA LIBERTAR O POVO DA BANDEIRA VERMELHA COM A CRUZ BRANCA DAS SUAS GARRAS MALVADAS.
E ASSIM DISPAROU A FLECHA LIVRE PELO AR FAZENDO COM QUE O MALVADO GOVERNADOR TOMBASSE NO SOLO.
DEPOIS, O VALENTE GUILHERME SAIU CAMINHANDO DE MÃOS DADAS COM O FILHO, VIRANDO AS COSTAS PARA O GOVERNADOR QUE NAQUELE MOMENTO SUSPIRAVA PELA ÚLTIMA VEZ.
ASSIM O POVO DA BANDEIRA VERMELHA COM A CRUZ BRANCA NO MEIO, VOLTOU A SER LIVRE E FELIZ GRAÇAS AO GRANDE ARQUEIRO QUE SE TORNOU UMA LENDA VIVA NO PAÍS DOS ALPES.
 
 
 
 
Saulo Piva Romero
Enviado por Saulo Piva Romero em 15/01/2020
Alterado em 17/01/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
AfrikaansAlbanianArabicEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Copyright © 2017. Contos do Tio-Avô. Todos os direitos reservados a Saulo Piva Romero